EVENTOS EPCC - Encontro Internacional de Produção Científica V EPCC - Encontro Internacional de Produção Científica ( 23 a 26 de Outubro de 2007)
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/7040
Tipo: Artigo
Título: REPOSIÇÃO HORMONAL:VANTAGENS E DESVANTAGENS DESSA TERAPIA
Autor(es): GIACOMINI, Danieli Ribeiro
MELLA, Eliane Aparecida Campesatto
BIANCHI, Juliana
BARROSO, Josiane
Resumo: A deficiência de estrogênio foi considerada por muitos como uma condição fisiológica e não patológica, provavelmente porque a insuficiência ovariana é geneticamente programada. Entretanto com o aumento da expectatia de vida das mulheres, o impacto negativo da deficiência de estrogênio tornou-se mais significativo. Embora essa deficiência seja tratavél , menos de 20% das mulheres pós menopáusicas recebem estrogênio. A terapia de reposição hormonal (TRH) na menopausa surgiu como principal forma de tratamento, no sentido de aliviar sintomas e de agir preventivamente, reduzindo o aparecimento de doenças , como as cardiovasculares e a osteoporese, embora a TRH não seja totalmente desprovida de riscos. A terapêutica hormonal tem passado nos últimos anos por dúvidas e incertezas, em consequência de diversas publicações relacionadas a seu uso, desta forma torna-se importante analisar as vantagens e desvantagens dessa terapia uma vez que surge de tempos em tempos, uma literatura contraditória a esse respeito. OBJETIVO: Analisar através de uma ampla revisão bibliográfica, as vantagens e desvantagens da terapia de reposição hormonal em mulheres climatérias, bem como avaliar se os possíveis riscos desta terapia superam os benefícios proporcionados pela mesma. METODOLOGIA: A metodologia utilizada foi pesquisa bibliográfica, efetuada em bibliotecas e internet. Os textos de livros e artigos científicos serão estudados e os conteúdos selecionados para a elaboração do trabalho. RESULTADOS: A terapia de reposição hormonal (TRH) é recomendada para o alívio dos sintomas vasomotores, tratamento de atrofia vaginal e prevenção da osteoporese. Apesar das conhecidas vantagens, aproximadamente 70% das mulheres cessam o tratamento após o primeiro ano. Uma das principais causas da baixa aderência a TRH é o sangramento irregular , outras razões incluem mastalgia, naúsea, cefaléia , ganho de peso e retenção hidríca, além do medo do cancêr de mama. Os riscos da estrogenoterapia parecem estar relacionados com a dose, muitos dos efeitos colaterias dos contraceptivos orais em alta dosagem não ocorreram com menores doses de estrogênio usadas na TRH. Devido à sensibilidade de alguns tecidos aos estrogênios, devem se considerados os possíveis riscos de estrogênio em mulheres na pós -menopausa. CONCLUSÃO: Conclui-se que a decisão de uma mulher usar a TRH é um processo complexo, determinado pela recomendação de seu médico, pelo risco individual de doenças, pelas atitudes frente a menopausa e TRH, valores menopausais e ao meio ao qual a mulher pertence. Sendo assim é necessário a monitorização continua das pacientes em uso de TRH pois é baseado no auto relato de sintomas, nos padrões de sangramento e avaliações de rotina, que o médico poderá avaliar os efeitos da TRH na mulher, e o mesmo saberá as atitudes necessárias , que deverá ser tomada frente a algum problema.
Palavras-chave: Terapia de reposição hormonal
Menopausa
Estrogênios
Idioma: por
País: Brasil
Editor: UNIVERSIDADE CESUMAR
Sigla da Instituição: UNICESUMAR
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/7040
Data do documento: 19-Out-2005
Aparece nas coleções:V EPCC - Encontro Internacional de Produção Científica ( 23 a 26 de Outubro de 2007)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
danieli_ribeiro_giacomini.pdf12.48 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.