EVENTOS EPCC - Encontro Internacional de Produção Científica V EPCC - Encontro Internacional de Produção Científica ( 23 a 26 de Outubro de 2007)
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/7027
Tipo: Artigo
Título: ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE A DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR E AS ALTERAÇÕES POSTURAIS EM ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA
Autor(es): FUSO, cynthia Caldeira
PAULO, Ana Júlia Simões
BERTOLINI, Sônia Maria Marques Gomes
VOLPATO, Fabricia Michele
Resumo: A Articulação Temporomadibular (ATM) é uma articulação do tipo sinovial, lubrificada pelo líquido sinovial. Ela participa da mastigação, fonação, deglutição, fala e respiração através do abaixamento, elevação, protusão, retrusão e lateralidade da mandíbula. As disfunções temporomandibulares (DTM) são mais freqüentes em mulheres que em homens, visto que, as mulheres são mais acometidas por fatores hormonais, estresse emocional, ansiedade e depressão, tendo como principal sintoma a dor miofascial associada com função mandibular alterada. Um desequilíbrio entre a ATM e a ação desequilibrada dos músculos mastigatórios, levam a disfunção miofascial. Pesquisas realizadas demonstraram que grande parte dos casos de disfunção temporomandibular são causados pela má oclusão que tem a origem ambiental como uma importante etiologia. Traumatismo, obstrução nasal crônica com respiração bucal, onicofagia (roer unhas) e sucção digital (chupar dedo) são exemplos de má oclusão. Acredita-se que o espasmo dos músculos da mastigação é o principal responsável pela sintomatologia dolorosa na DTM e pode ser desencadeado por distensão, contração ou fadiga muscular. Alguns estudos relatam uma íntima relação entre as alterações posturais e a DTM, tendo em vista a organização dos músculos em grandes cadeias, que podem conectar os pés à cabeça e, se não houver equilíbrio ou os sistemas biológicos não estiverem executando suas funções adequadamente, haverá uma desestruturação da cadeia postural. Esta pesquisa tem como objetivo verificar a relação entre a disfunção temporomandibular e as alterações posturais em acadêmicos do curso de Fisioterapia. A investigação contou com a participação de 44 acadêmicos de ambos os sexos com idades variando entre 18 e 39 anos, que responderam a um questionário sobre disfunção temporomandibular. Destes, 12 foram ainda submetidos a uma avaliação postural. Os resultados revelaram que 52,3% dos investigados apresentavam algum tipo de queixa, sendo que desses, 38,6% eram de dor e 13,6% relataram uso de prótese em algum dente. Em relação aos hábitos apresentados pela amostra, 15,9% referiram mascar chiclete. Ruído perto da orelha foi verificado em 40% e tontura em 13,6%. Dos acadêmicos que possuíam ruído perto da orelha houve predominância de estalos em 25% dos casos.
Palavras-chave: Alteração postural
Articulação temporomandibular
Disfunção temporomandibular
Idioma: por
País: Brasil
Editor: UNIVERSIDADE CESUMAR
Sigla da Instituição: UNICESUMAR
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/7027
Data do documento: 19-Out-2005
Aparece nas coleções:V EPCC - Encontro Internacional de Produção Científica ( 23 a 26 de Outubro de 2007)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
cynthia_caldeira_fuso.pdf12.23 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.