EVENTOS EPCC - Encontro Internacional de Produção Científica V EPCC - Encontro Internacional de Produção Científica ( 23 a 26 de Outubro de 2007)
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/6558
Tipo: Artigo
Título: ANÁLISE DA DIETA DA RÃ Lithobates catesbeianus, Shaw, 1802, (Amphibia, Anura) NA REGIÃO DE MARINGÁ, PR.
Autor(es): CUNHA, Eduardo Ribeiro da
AFFONSO, Igor de Paiva
DELARIVA, Rosilene Luciana
Resumo: A rã-touro (Lithobates catesbeianus, Shaw, 1802), um anuro da família Ranidae, foi introduzida em vários países de todos os continentes para fins comerciais. Seu cultivo foi iniciado no Brasil na década de 1920, no Rio Grande do Sul onde se estabeleceram os primeiros ranários legalizados. Estes espécimes quando por ventura escapam dos criadouros ou são libertos no ambiente, acabam facilmente se adaptando ao ecossistema local por serem vorazes predadores de hábito generalista e estarem fora do perigo de seus predadores naturais, proliferando-se em altos níveis. Dessa forma, esses animais quando exóticos em um determinado local podem desencadear desequilíbrios ecológicos que podem ser irremediáveis, competindo com outros anuros nativos por alimentos, ou até mesmo predando anfíbios e outros pequenos vertebrados. A predação estabelecida por L. catesbeianus, pode levar a risco de extinção ou de fato extinguir espécies, além de interferirem direta e indiretamente em inúmeras cadeias tróficas que se estabelecem nos ecossistemas. Este projeto, portanto, tem por objetivo analisar o conteúdo estomacal de espécimes pós metamorfoseadas dessa espécie. Os exemplares para essa análise serão coletados mensalmente através de captura ativa no período de agosto de 2007 a julho de 2008 em duas fazendas no município de Maringá, Paraná. Serão submetidos à eutanásia no local da coleta através de dose letal de barbitúrico Tiopental com concentração 5mg/Kg, via intraperitonial e posteriormente fixados em formol a 10%. Em laboratório serão identificados quanto ao desenvolvimento (adultos e juvenis) e sexo, pesados e medidos seu comprimento rostro-cloacal e diâmetro da cavidade bucal. O conteúdo encontrado no interior do estômago será identificado ao menor táxon possível. Cada presa terá seu volume medido através da fórmula V = 4/3 x Pi (L/2) x (W/2) 2, onde V, representa o volume; L, o comprimento; e W, a largura. O volume do estômago será dado pela soma do volume das presas contidas nele. A freqüência de ocorrência de cada grupo taxonômico será dada pelo percentual de estômagos que contenham ao menos 1 representante do táxon em questão e a importância de cada categoria de presa será dada pela fórmula I = (F% + N% + V%)/3, sendo F% o percentual de ocorrência; N% o percentual numérico; e V% o percentual volumétrico. A realização da pesquisa se fundamenta na obtenção de dados a respeito da dieta de L. catesbeianus e o uso dos recursos em relação a distribuição espaço-temporal.
Palavras-chave: Alimentação
Anfíbios
Anura
Espécie introduzida
Paraná
Idioma: por
País: Brasil
Editor: UNIVERSIDADE CESUMAR
Sigla da Instituição: UNICESUMAR
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/6558
Data do documento: 23-Out-2007
Aparece nas coleções:V EPCC - Encontro Internacional de Produção Científica ( 23 a 26 de Outubro de 2007)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
eduardo_ribeiro_da_cunha.pdf226.58 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.