EVENTOS EPCC - Encontro Internacional de Produção Científica VII EPCC - Encontro Internacional de Produção Científica (25 à 28 de Outubro de 2011)
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/4667
Tipo: Artigo
Título: EFEITO DA DENSIDADE DO SOLO NO DESENVOLVIMENTO DE Phaseolus vulgaris L.
Autor(es): HARA, Anderson Takashi
HASHIGUTI, Heraldo Takao
SANTOS, Alex Elpidio dos
GONÇALVES, Antônio Carlos Andrade
Abstract: O feijão é um alimento básico da população brasileira e devido a sua importância social e econômica é amplamente cultivada em todo território nacional. A agricultura familiar é uma importante engrenagem para a produção desse alimento no Brasil, em que é responsável por 70% da produção nacional. Nas últimas décadas subsídios agrícolas como baixos juros e crédito acessível têm estimulado por parte desses agricultores uma maior aquisição de máquinas agrícolas e consequentemente um intenso tráfego de máquinas na lavoura. Entretanto o uso dessas máquinas tem gerado a compactação superficial do solo, causando empobrecimento da fertilidade física do solo, reduzindo a produtividade. A compactação promove um aumento da densidade do solo da camada explorada pela cultura decorrente a destruição da estrutura do solo, que por sua vez promove uma baixa difusão de gases no solo limitando os processos metabólicos além de inibir o crescimento radicular devido ao impedimento físico gerado pelas camadas compactadas. A interação conjunta desses fatores promove um menor volume de solo explorado, acarretando em menor disponibilidade de água, bem como uma menor absorção de nutrientes, trazendo como consequência a redução da expressão do potencial genético do feijoeiro. Com objetivo de esclarecer o efeito da compactação no desenvolvimento do feijoeiro, será realizado experimento conduzindo em casa de vegetação na área experimental de irrigação da Universidade Estadual de Maringá, no município de Maringá, Estado do Paraná, em delineamento inteiramente casualizado, utilizando cultivar IPR Tangará, adotando duas observações por unidade experimental. A unidade experimental será vasos fabricados com tubos de PVC de 0,2 m de diâmetro com 0,35 m de altura, com capacidade de 9,4 litros, utilizando solo o horizonte B de um NITOSSOLO VERMELHO Eutroférrico; realizando 6 repetições. Os tratamentos serão 6 níveis de densidade, que será obtido por meio da compactação de camadas sucessivas de 0,03 m através da queda livre de um êmbolo de 7 kg de uma altura de 0,6 m no centro geométrico de uma superfície de madeira com diâmetro ligeiramente inferior do vaso, variando progressivamente o número de repetições da queda do êmbolo para atingir densidade mínima próximo de 1,1 Mg.m-3 e densidade máxima próximo de 1,5 Mg.m-3 e 4 valores intermediários de densidade. Todos os tratamentos terão a umidade do solo fixa que será mantida próxima a capacidade de campo por meio da pesagem dos vasos e reposição diária da água perdida por evapotranspiração. As variáveis respostas como matéria seca da parte aérea e raízes, rendimento de grãos, serão submetidos à ANOVA e posteriormente a análise de regressão adotando nível de significância 5%. Com este trabalho espera-se determinar o nível crítico da densidade do solo limitante e ótimo para a produção de feijão.
Palavras-chave: IPR Tangará
Umidade do solo
Rendimento de grãos
Idioma: por
País: Brasil
Editor: UNIVERSIDADE CESUMAR
Sigla da Instituição: UNICESUMAR
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/4667
Data do documento: 25-Out-2011
Aparece nas coleções:VII EPCC - Encontro Internacional de Produção Científica (25 à 28 de Outubro de 2011)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
anderson_takashi_hara3.pdfTrabalho apresentado na modalidade grupo de discussão no VII EPCC Encontro Internacional de Produção Científica (25 a 28 de outubro de 2011)78.77 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.