01 - CAMPUS MARINGÁ 3. TESES E DISSERTAÇÕES TECNOLOGIAS LIMPAS E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL - PPGTL
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/1036
Tipo: Dissertação
Título: Afetividade pessoa-ambiente, bem-estar subjetivo e comportamento pró-ambiental nas hortas comunitárias
Autor(es): ARRUDA, Eduardo Chierrito De
Primeiro Orientador: MILANI, Rute Grossi
metadata.dc.contributor.advisor-co1: PACCOLA, Ednéia Aparecida de Souza
Abstract: As hortas comunitárias revelam uma opção para a produção de alimentos em pequena escala, com ênfase na participação da comunidade local. Possuem a característica de tecnologias sociais sustentáveis, com valoração estética e econômica. Nesta pesquisa, objetivou-se compreender a afetividade pessoa-ambiente, o bem-estar subjetivo e o comportamento pró-ambiental em hortas comunitárias, por meio de estudo exploratório e descritivo. Participaram 40 usuários, de ambos os sexos, com idade entre 45 e 85 anos, em três hortas comunitárias da cidade de Maringá, localizada no Estado do Paraná, sul do Brasil. Os dados foram coletados por meio de uma metodologia quanti-qualitativa (multimétodos). Aplicou-se o Instrumento Gerador dos Mapas Afetivos (IGMA) e as escalas de Afetos Positivos e Negativos (PANAS), Satisfação de Vida (ESV) e Comportamento Ecológico (ECE). Nos mapas, destacaram-se os sentimentos de agradabilidade, distração e restauração, e dentre os sentidos atribuídos verificou-se a conexão com a natureza (n=13) e o sentimento de pertencimento (n=6) na interação com a horta. A partir de uma análise exploratória e descritiva das escalas, os participantes demonstraram um nível de contentamento acima da média, predominância dos afetos positivos e baixos níveis de afetos negativos. Sobre o comportamento ecológico, verificou-se altos escores na economia de água e energia (M= 4,14), assim como na limpeza urbana (M= 4,62), escores medianos referentes à reciclagem (M=3,23) e baixos quanto ao ativismo e consumo (M= 2,59). Conclui-se que os usuários associam as hortas com fatores de agradabilidade e restauração psicológica, proporcionados pela conexão com a natureza e na relação de vizinhança. Tais variáveis estimulam o senso de comunidade e, consequentemente, quando estimuladas, podem contribuir para a conservação ambiental.
Palavras-chave: ambientes positivos
afetos
psicologia ambiental
satisfação de vida
sustentabilidade urbana
Idioma: por
País: Brasil
Editor: UNIVERSIDADE CESUMAR
Sigla da Instituição: UNICESUMAR
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/1036
Data do documento: 6-Nov-2017
Aparece nas coleções:TECNOLOGIAS LIMPAS E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL - PPGTL

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
EDUARDO CHIERRITO DE ARRUDA.pdfDissertação1.75 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.