EVENTOS EPCC - Encontro Internacional de Produção Científica IV EPCC - Encontro Internacional de Produção Científica (19 a 22 de Outubro de 2005)
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/7726
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorANAMI, Rubiana Midori-
dc.creatorPAOLOZZI, Rodrigo Jesus-
dc.creatorMICHELETTI, Marcio Henrique-
dc.creatorMONTEIRO, Eduardo Raposo-
dc.creatorBETTINI, Carlos Maia-
dc.date.accessioned2021-02-17T16:25:36Z-
dc.date.available2005-10-19-
dc.date.available2021-02-17T16:25:36Z-
dc.date.issued2005-10-19-
dc.identifier.otherPresencialpt_BR
dc.identifier.urihttp://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/7726-
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUNIVERSIDADE CESUMARpt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectAnti-inflamatórios não esteroidaispt_BR
dc.subjectPropofolpt_BR
dc.subjectCãespt_BR
dc.titleAVALIAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PRÉ-OPERATÓRIA DO FLUNIXIN MEGLUMINE, CETOPROFENO, CARPROFENO OU MELOXICAM SOBRE A DOSE DE INDUÇÃO DO PROPOFOL EM CÃES PRÉ-MEDICADOS COM ACEPROMAZINApt_BR
dc.typeArtigopt_BR
dc.description.resumoOs antiinflamatórios não esteroidais (AINEs) são amplamente utilizados como analgésicos na medicina veterinária, sobretudo na analgesia pós-operatória. Esses fármacos são usados com o objetivo de controlar dores leves, moderadas e severas, de forma isolada ou em associação a outros analgésicos, como por exemplo, os opióides. Além dos efeitos farmacológicos, os AINEs compartilham diversas propriedades farmacocinéticas. Como regra geral são ácidos fracos, bem absorvidos por via oral, apresentam boa lipossolubilidade e baixo volume de distribuição e se ligam em grande parte à albumina plasmátia. Em cães essa taxa de ligação pode ultrapassar os 90% da concentração sérica no caso do flunixin e 99% no caso do carprofeno. O deslocamento desses fármacos de seus sítios de ligação, em função da competição com outros fármacos administrados concomitantemente, poderia levar ao aumento da fração livre (farmacologicamente ativa) de um desses fármacos resultando em aumento na sua toxicidade. O uso concomitante de ibufrofeno ou diclofenaco e digoxina comprovadamente resulta em aumento dos níveis séricos da digoxina. Diversos estudos evidenciaram uma possível melhora no efeito analgésico dos AINEs quando os mesmos são administrados antes da realização do estímulo doloroso (analgesia pré-emptiva), ou seja, no período pré-operatório. No entanto, não há estudos na literatura consultada sobre a possível competição por sítios de ligação entre AINEs e anestésicos gerais, como o propofol. O objetivo do presente estudo será avaliar se a administração pré-operatória de quatro diferentes AINEs frequentemente utilizados na rotina veterinária influencia sobre a dose anestésica do propofol. Cinqüenta caninos de idade, peso e sexo variados, provenientes da rotina do Hospital Veterinário Cesumar serão utilizados. Serão incluídos no estudo somente animais considerados sadios de acordo com exame físico e exames laboratoriais (hematócrito e proteínas plasmáticas). Os animais serão tranqüilizados com acepromazina e, decorridos 30 minutos, receberão aleatoriamente a administração intravenosa de 1 ml de salina (Grupo 1 - controle); flunixin meglumine (1,0 mg/kg – grupo 2); cetoprofeno (2,0 mg/kg – grupo 3); carprofeno (4,0 mg/kg – grupo 4); ou meloxicam (0,3 mg/kg – grupo 5). Após 30 minutos os animais serão induzidos à anestesia geral com propofol na velocidade de 1,5 mg/kg/min, por meio de uma bomba de infusão peristáltica, até que haja perda do reflexo palpebral. O estudo será do tipo cego de forma que o avaliador não saberá qual das medicações foi administrada. A dose de propofol necessária à indução anestésica será comparada entre os grupos para verificar uma possível interferência da administração pré-operatória de algum dos antiinflamatórios estudados sobre a dose indutora do propofol. Os resultados apresentados são referentes à conclusão de 12% do projeto (6 animais). A dose de indução do propofol média foi de 6.1 mg/kg e 5,3 mg/kg respectivamente nos animais dos grupos 2 e 3. Apesar da dose de indução do propofol ser aparentemente maior nos animais do grupo 2 não é possível afirmar ainda se a diferença entre os grupos é significativa devido ao baixo número de animais estudados até o momento.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.initialsUNICESUMARpt_BR
Aparece nas coleções:IV EPCC - Encontro Internacional de Produção Científica (19 a 22 de Outubro de 2005)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
rubiana_midori_anami2.pdf12.76 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.