EVENTOS EPCC - Encontro Internacional de Produção Científica V EPCC - Encontro Internacional de Produção Científica ( 23 a 26 de Outubro de 2007)
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/6650
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorMUCENIECKS, Rebeca Szczawlinska-
dc.creatorSILVA, Jani Alves da-
dc.date.accessioned2021-01-22T14:17:15Z-
dc.date.available2007-10-23-
dc.date.available2021-01-22T14:17:15Z-
dc.date.issued2007-10-23-
dc.identifier.issn9788561091002pt_BR
dc.identifier.urihttp://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/6650-
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUNIVERSIDADE CESUMARpt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectBanco mundialpt_BR
dc.subjectEducaçãopt_BR
dc.subjectMundialização do capitalpt_BR
dc.subjectNeoliberalismopt_BR
dc.subjectPolíticas educacionaispt_BR
dc.titleA INFLUÊNCIA DO BANCO MUNDIAL NAS POLÍTICAS EDUCACIONAIS A PARTIR DA DÉCADA DE 1990 NO BRASILpt_BR
dc.typeArtigopt_BR
dc.description.resumoDesde a década de 1940 o Banco Mundial, agência multilateral do sistema ONU (Organização das Nações Unidas), atua como uma agência financiadora de projetos para a área de infra-estrutura econômica. A partir dos anos 1970, ampliou suas funções tornando-se uma das mais relevantes fontes de financiamento social aos países signatários. Trabalha em consonância com o FMI (Fundo Monetário Internacional), conduzindo ajustes estruturais que levem os países em desenvolvimento rumo à globalização e à incorporação de princípios neoliberais. Tendo como referencial teórico a Teoria Neoliberal, essas agências propõem uma política de focalização à pobreza, na qual, propalam que é necessário reduzir a pobreza dos países a um nível em que o número de pessoas pobres não atrapalhe o desenvolvimento do mercado, mas, ao contrário, estimule seu crescimento. Isso não significa trazer condições sociais satisfatórias para toda a população, mas apenas amenizar a situação para que esta não chegue ao limite suportável. Nesta perspectiva, atribui-se à educação a responsabilidade de solucionar diversos problemas sociais e manter a passividade da sociedade. O Brasil, assim como também outros países, participam de diversos projetos em parceria com o Banco Mundial, sujeitando-se às suas diretrizes e encaminhamentos. Diante disso, essa pesquisa tem o objetivo de estudar e compreender quais as conseqüências que essa relação acarreta, ou seja, como as políticas educacionais no Brasil são afetadas por esse rolo compressor neoliberal. Para dar conta do proposto, essa pesquisa possui os seguintes procedimentos metodológicos: a) Discutir a mundialização do capital, assim como a reforma do Estado, resultante dos princípios neoliberais estabelecidos de forma impactante no Brasil; b) Identificar o papel do Banco Mundial na educação brasileira; c) Analisar algumas orientações políticas do Banco Mundial para a educação no Brasil, por meio da compreensão de alguns documentos do próprio Banco Mundial produzidos na década de 1990. Essa pesquisa é pertinente, pois há uma necessidade de refletir sobre as alterações políticas e econômicas ocorridas sob o predomínio da mundialização do capital, e de analisar à luz dessa reflexão, as orientações políticas do Banco Mundial para a educação no Brasil.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.initialsUNICESUMARpt_BR
Aparece nas coleções:V EPCC - Encontro Internacional de Produção Científica ( 23 a 26 de Outubro de 2007)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
jani_alves_da_silva.pdf206.83 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.