EVENTOS EPCC - Encontro Internacional de Produção Científica VI EPCC - Encontro Internacional de Produção Científica (27 a 30 de Outubro de 2009)
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/6244
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorBATTAGLIA, Thomas Vallezi-
dc.creatorMURAD, Ivan-
dc.creatorPEREIRA, Jônatas Luiz-
dc.creatorVALLE, Rodrigo Lima do-
dc.date.accessioned2020-10-06T13:50:31Z-
dc.date.available2020-10-06T13:50:31Z-
dc.date.issued2009-10-27-
dc.identifier.issn9788561091057pt_BR
dc.identifier.urihttp://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/6244-
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUNIVERSIDADE CESUMARpt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectAnemiapt_BR
dc.subjectEsplênicopt_BR
dc.subjectTransfusãopt_BR
dc.titleMANEJO DO CHOQUE HEMORRÁGICO NO TRAUMA ESPLÊNICOpt_BR
dc.typeArtigopt_BR
dc.description.resumoA crescente incidência de traumas abdominais e a frequência com que o baço é atingido conferem ao trauma esplênico destaque especial nos serviços de urgência, tendo em vista que esse é o órgão abdominal mais lesado no traumatismo contuso, levando a um alto índice de morbidade e mortalidade. Na maioria dos casos ocorre grande perda de volume sanguíneo, e além da reposição volêmica à base de cristalóides, há a necessidade de transfusões sanguíneas para manter o hematócrito e a hemoglobina dentro de valores que permitam com que os pacientes se mantenham estáveis clinicamente. O presente trabalho tem como objetivo estabelecer o perfil das transfusões sanguíneas em pacientes com lesão esplênica atendidos no Hospital Universitário Regional de Maringá (HUM). O estudo foi realizado através da analise retrospectiva de prontuários do Hospital Universitário de Maringá (HUM) do período de Janeiro de 2004 a Junho de 2008, sendo selecionados todos os casos de pacientes vítimas de trauma e que tiveram o diagnóstico de lesão esplênica. Foram analisados os dados de 51 pacientes, sendo os mesmos divididos de acordo com o grau de trauma esplênico e também, de acordo com o grau de anemia. Verificou-se que a quantidade média de concentrados de hemácias por paciente acabou sendo mais elevada quanto maior a gravidade da lesão (2,07 concentrados por paciente para lesões pequenas; 2,7 para lesões médias e 5,14 para lesões grandes) e quanto maior o grau de anemia (2,5 concentrados para anemia grau I; 3 para anemia grau II e 3,75 para anemia grau III).pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.initialsUNICESUMARpt_BR
Aparece nas coleções:VI EPCC - Encontro Internacional de Produção Científica (27 a 30 de Outubro de 2009)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Thomas_Vallezi_Battaglia.pdfTrabalho apresentado no VI Encontro Internacional de Produção Cientifica (27 a 30 de outubro de 2009)81.46 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.