01 - CAMPUS MARINGÁ 3. TESES E DISSERTAÇÕES GESTÃO DO CONHECIMENTO NAS ORGANIZAÇÕES - PPGGCO
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/612
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorGIBIN, Marta Ribeiro-
dc.date.accessioned2018-05-30T18:34:23Z-
dc.date.available2018-05-30T18:34:23Z-
dc.date.issued2016-02-29-
dc.identifier.urihttp://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/612-
dc.description.abstractEste estudo teve como objetivo analisar o perfil das exportações brasileiras dos setores industriais por intensidade tecnológica entre 2004 e 2014. Quanto a metodologia constitui-se de uma pesquisa bibliográfica e descritiva, sendo utilizada para coleta de dados de fonte secundária, sendo, portanto, coletados os dados das seguintes fontes: Sistema de Análise das Informações de Comércio Exterior via Internet versão 2 (AliceWeb2), do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). A fim de compreender a influência que as políticas: Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior (PITCE), Política de Desenvolvimento Produtivo (PDP) e Plano Brasil Maior (PBM) causaram na exportação e importação, ajustou-se um modelo estatístico baseado no Teste de Wald. Com base no estudo realizado analisa-se as três principais políticas: Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior (PITCE), Política de Desenvolvimento Produtivo (PDP) e Plano Brasil Maior (PBM). Embora, na atual circunstância é prematuro (demasiado cedo) análises mais conclusivas, tanto em suas metas propostas quanto aos seus impactos sobre a economia. Entretanto, as importações contribuem para adquirir novas tecnologias através de máquinas e equipamentos, traduzindo em inovações locais. Um fator limitante neste estudo foi a falta de continuidade dos programas do governo voltados à indústria, já que fatores sazonais como rupturas internas e externas acontecem, o que dificultou a coleta de dados. A análise resultante deste estudo mostra que os principais fatores da falta de sucesso na criação de produtos de alta tecnologia está aliada a baixa produtividade e aos custos elevados de exportação, sendo a produtividade o principal fator na visão de diversos autores citados no trabalho. Ressaltando-se, portanto, a importância da economia do conhecimento para o desenvolvimento de um país, bem como os esforços conjuntos no desenvolvimento de produtos inovativos e tecnológicos, por meio de políticas industriais. De acordo com o teste de Wald, observa-se que, os dados amostrais indicam que as três políticas citadas influenciaram significativamente o valor total das importações e das exportações realizadas no Brasil, do ponto de vista estatístico, considerando o nível de 5% de significância. Entretanto, mesmo o total de exportações crescendo ano a ano, os valores ainda estão abaixo da média geral apresentada entre 2004 e 2014 (184.077 US$ milhões), o que gerou um valor negativo nas estimativas para o Brasil. Sugere-se, portanto, como estudo futuro, realizar um estudo específico para os Estados brasileiros que se destacam na criação e exportação de produtos com alta intensidade tecnológica, a exemplo, das regiões Sul e Sudeste do país.pt_BR
dc.languagepor-
dc.publisherUNIVERSIDADE CESUMARpt_BR
dc.rightsAcesso Aberto-
dc.subjectExportaçõespt_BR
dc.subjectImportaçõespt_BR
dc.subjectIntensidade tecnológicapt_BR
dc.subjectEconomia do conhecimentopt_BR
dc.subjectPolítica industrialpt_BR
dc.titlePerfil das exportações brasileiras dos setores industriais por intensidade tecnológica (2004-2014)pt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.contributor.advisor1TATTO, Luiz-
dc.publisher.countryBrasil-
dc.publisher.initialsUNICESUMAR-
Aparece nas coleções:GESTÃO DO CONHECIMENTO NAS ORGANIZAÇÕES - PPGGCO

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
MARTA RIBEIRO GIBIN.pdfDissertação661.23 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.