01 - CAMPUS MARINGÁ 3. TESES E DISSERTAÇÕES PROMOÇÃO DA SAÚDE
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/570
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorPEREIRA, Claudia Olsen Matos-
dc.date.accessioned2018-05-29T14:25:49Z-
dc.date.available2018-05-29T14:25:49Z-
dc.date.issued2016-02-24-
dc.identifier.urihttp://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/570-
dc.languagepor-
dc.publisherUNIVERSIDADE CESUMARpt_BR
dc.rightsAcesso Aberto-
dc.subjectAcademia da terceira idadept_BR
dc.subjectAtividade físicapt_BR
dc.subjectSonopt_BR
dc.titleAcademias da terceira idade: impacto na qualidade do sono de idosospt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.contributor.advisor1BERTOLINI, Sônia Maria Marques Gomes-
dc.contributor.advisor-co1MACUCH, Regiane da Silva-
dc.description.resumoA idade avançada está diretamente relacionada à ocorrência de problemas do sono. Dormir bem possibilita às pessoas terem um bom desempenho em suas atividades diárias. A atividade física (AF) tem sido considerada um importante recurso não farmacológico, que pode proporcionar benefícios à qualidade do sono. Sendo assim, este estudo teve como objetivo verificar a utilização das Academias da Terceira Idade (ATIs) de Naviraí-MS, bem como, o impacto de um protocolo de intervenção com atividades físicas realizadas nessas academias na qualidade do sono de idosos. Na primeira fase do estudo, caracterizado como do tipo transversal descritivo, participaram 305 idosos, sendo 138 homens e 167 mulheres, com média de idade de 68,23 ± 6,76 anos. Destes, apenas 22 foram incluídos na segunda fase da pesquisa, considerada como quase-experimental, em que os idosos praticaram atividades físicas em ATIs, três vezes por semana, durante o período três meses. Verificou-se que 63% dos idosos praticavam atividades físicas e, destes, 50,5% utilizavam as ATIs. Foram encontradas diferenças significativas entre o índice de qualidade do sono dos idosos nos momentos antes e após o protocolo de intervenção (p=0,005) com destaque para a duração do sono (p=0,037). Diante dos resultados apresentados, constatou-se a qualidade ruim do sono na amostra estudada, não havendo diferenças estatisticamente significativas em relação ao sexo. A qualidade do sono, com destaque a duração, melhorou significativamente após um protocolo de atividades físicas orientadas com duração de três meses, três vezes por semana, em Academias da Terceira Idade. Contudo, a aplicação de um protocolo por maior período poderia revelar resultados significativos também na categoria eficiência do sono.-
dc.publisher.countryBrasil-
dc.publisher.initialsUNICESUMAR-
Aparece nas coleções:PROMOÇÃO DA SAÚDE

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
CLÁUDIA OLSEN MATOS PEREIRA.pdfDissertação1.82 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.