EVENTOS Mostra Interna de Trabalhos de Iniciação Científica IX Mostra Interna de Trabalhos de Iniciação Científica e II Mostra Interna de Trabalhos de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação 2018
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/2290
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorSILVA, Isabella Zanette da-
dc.creatorRUBIO, Andressa Jenifer-
dc.creatorSOLETTI, Lara de Souza-
dc.creatorBERGAMASCO, Rosângela-
dc.creatorYAMAGUCHI, Natália Ueda-
dc.date.accessioned2019-08-27T17:32:04Z-
dc.date.available2019-08-27T17:32:04Z-
dc.date.issued2018-10-23-
dc.identifier.isbn978-85-459-1280-4-
dc.identifier.urihttp://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/2290-
dc.description.abstractOs corantes são utilizados em diversos setores industriais; o azul de metileno, especificamente, é frequentemente usado na fabricação de papel e outros materiais, tais como nylons e poliésteres. Diante disso, muitas pesquisas relacionadas ao o tratamento destes efluentes aparecem frequentemente. Um processo amplamente utilizado no tratamento de efluentes industriais envolvendo corantes é a adsorção. Apresenta alta eficiência e não requer altos investimentos iniciais. Para reduzir os custos do processo de adsorção, as biomassas podem ser usadas como materiais adsorventes. A mandioca é uma cultura de fácil adaptação, sendo cultivada em todos os estados do Brasil. Nesta pesquisa, a habilidade do resíduo da casca de mandioca (RCM) para remover o azul de metileno da solução aquosa foi avaliada. Suas características físicas foram estudadas por meio de análises instrumentais. Os estudos de biossorção de azul de metileno foram realizados em experimentos em batelada, isotermicamente a 25 ºC. O tempo de contato foi determinado pelo estudo da cinética do processo. Também se realizou um tratamento ácido e alcalino para melhorar a remoção do azul de metileno em solução aquosa. A biossorção do azul de metileno utilizando o RCM com modificação alcalina apresentou 97,99% de remoção após 24 h. O uso do RCM foi confirmado como um bom biossorvente para a remoção do azul de metileno, e poderia ser considerado como uma nova alternativa para o tratamento de águas residuais, oferecendo uma aplicação para o resíduo de casca de mandioca.pt_BR
dc.languagepor-
dc.publisherUNIVERSIDADE CESUMARpt_BR
dc.rightsAcesso Aberto-
dc.subjectCorantept_BR
dc.subjectEfluentespt_BR
dc.subjectCinéticapt_BR
dc.subjectTratamentopt_BR
dc.titleUTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DA CASCA DE MANDIOCA PARA ADSORÇÃO DE AZUL DE METILENOpt_BR
dc.typeArtigopt_BR
dc.publisher.countryBrasil-
dc.publisher.initialsUNICESUMAR-
Aparece nas coleções:IX Mostra Interna de Trabalhos de Iniciação Científica e II Mostra Interna de Trabalhos de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação 2018

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
isabella_zanette_da_silva_2.pdfTrabalho apresentado na modalidade comunicação oral no IX Mostra Interna de Trabalhos de Iniciação Científica e II Mostra Interna de Trabalhos de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (23 a 26 de outubro de 2018)468.68 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.