01 - CAMPUS MARINGÁ 3. TESES E DISSERTAÇÕES CIÊNCIAS JURÍDICAS - PPGCJ
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/993
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorLECIUK, Mayra Lucia Paes Landim-
dc.date.accessioned2019-07-18T17:30:32Z-
dc.date.available2019-07-18T17:30:32Z-
dc.date.issued2018-05-07-
dc.identifier.urihttp://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/993-
dc.descriptionDissertação apresentada à Banca Examinadora da Unicesumar, como exigência parcial para obtenção do título de Mestre em Ciências Jurídicas, sob a orientação da Prof.ª Dr.ª Leda Maria Messias da Silvapt_BR
dc.description.abstractNo mundo atual está ocorrendo uma intensificação da tecnologia na vida humana, tanto no âmbito social, quanto, especialmente, no trabalho. Com o surgimento dos aparelhos celulares melhorados, os chamados smartphones, incluiu-se na vida humana o uso de diversos aplicativos disponibilizados pelos mesmos, sendo um dos principais, o “WhatsApp”. Estes aplicativos, em especial o “WhatsApp”, “Facebook” (msn) e e-mail, tornaram-se ferramentas indispensáveis para o desempenho profissional em grande parte das atividades laborais. O que, na maioria dos casos, acaba levando o utilizador destas ferramentas, enquanto empregado, a trabalhar horas e mais horas após a sua jornada, como também, o induz a um vício tanto de trabalho, quanto social. Com essa inclusão de novos instrumentos para a utilização no trabalho, o empregado não está adstrito a uma jornada de trabalho limitada, como há algum tempo atrás, quando o trabalho era realizado somente naquela jornada estipulada em contrato assinado entre empregado e empregador. Assim, vislumbra-se a necessidade de o direito do trabalho engendrar mecanismos a fim de regulamentar a utilização desses novos instrumentos inseridos no mundo do trabalho, uma vez que a jornada limitada de trabalho foi estabelecida com base na preservação da saúde física e psíquica do empregado, igualmente o direito de intervalos intra e interjornada e descanso semanal remunerado. Direitos estes, que acabam por serem inobservados e violados, afrontando assim os direitos da personalidade dos empregados, quando os mesmos não conseguem se desconectarem do trabalho. A pesquisa é teórica e a metodologia escolhida é a hipotético dedutiva, realizada através de revisão bibliográfica, pesquisas em artigos específicos e legislação, visando destacar a relevância do tema, bem como destacar a importância do direito à desconexão como garantidor dos direitos de personalidade do empregado.pt_BR
dc.languagepor-
dc.publisherUNIVERSIDADE CESUMARpt_BR
dc.rightsAcesso Aberto-
dc.subjectDireito à desconexãopt_BR
dc.subjectDireitos da Personalidadept_BR
dc.subjectNovos Instrumentos de Trabalhopt_BR
dc.subjectWhatsApppt_BR
dc.subjectE-mailpt_BR
dc.titleO direito à desconexão como garantidor dos direitos de personalidade dos empregadospt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.contributor.advisor1ZENNI, Alessandro Severino Vallér-
dc.publisher.countryBrasil-
dc.publisher.initialsUNICESUMAR-
Aparece nas coleções:CIÊNCIAS JURÍDICAS - PPGCJ

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Mayra Lucia Paes Landim Leciuk.pdfDissertação1.32 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.