EVENTOS EPCC - Encontro Internacional de Produção Científica IV EPCC - Encontro Internacional de Produção Científica (19 a 22 de Outubro de 2005)
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/7847
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorJAVERA, Vanessa Bueno Moreira-
dc.creatorGAGLIANONE, Cristina Pereira-
dc.date.accessioned2021-02-18T16:52:16Z-
dc.date.available2005-10-19-
dc.date.available2021-02-18T16:52:16Z-
dc.date.issued2005-10-19-
dc.identifier.otherPresencialpt_BR
dc.identifier.urihttp://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/7847-
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUNIVERSIDADE CESUMARpt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectCâncerpt_BR
dc.subjectQuimioterapiapt_BR
dc.subjectEstado nutricionalpt_BR
dc.titleAVALIAÇÃO SUBJETIVA GLOBAL EM PACIENTES ONCOLÓGICOSpt_BR
dc.typeArtigopt_BR
dc.description.resumoA incidência do câncer tem aumentado no Brasil e no mundo. Alguns sintomas da evolução e tratamento dessa patologia podem ser determinantes na ingestão de nutrientes. Este trabalho teve como objetivo estudar a presença de sintomas comuns ao paciente oncológico. Foram avaliados 43 pacientes, de ambos os sexos (30F/13M), sendo 36 adultos e 7 idosos com idade média de 53,76 anos, em tratamento do câncer, assistidos pelo Serviço Municipal de Saúde de Maringá-PR. os pacientes foram submetidos a entrevista onde foram coletados os dados como sexo, idade, tipo de câncer e tratamento, e aplicado a Avaliação Subjetiva Global adaptado para indivíduos oncológicos por Ottery et al (2002). Os resultados mostraram que o câncer de mama (44,18%), pele (9,3%), colo do útero (13,95%) e próstata (6,9%) são os mais prevalentes nesta população.Quanto ao tratamento 17 pacientes foram submetidos a radioterapia relatando que em 29,41% dos casos a ingestão está menor que a habitual, 32,29% com alteração na quantidade e consistência alimentar, 52,94% com atividade física e funcional abaixo do normal e os sintomas mais freqüentes foram ansiedade, constipação, xerostomia e alteração do paladar (relatos por cerca de 47,29% dos pacientes). A quimioterapia foi utilizada em 11 pacientes causando ingestão menor que a habitual em 72,72% dos casos, 90,9% com alteração na quantidade e consistência alimentar, 72,72% com atividade física e funcional abaixo do normal e os sintomas mais freqüentes foram ansiedade, anorexia, náuseas, incomodo pelo cheiro da comida (relatos por cerca de 44% dos pacientes). Pode-se concluir que o impacto da quimioterapia sobre o estado clínico do paciente representa grande risco de agravo nutricional. Esses sugerem ainda da importância do acompanhamento nutricional, dentro de uma equipe multiprofissional, a fim de promover a recuperação e o bem estar do paciente.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.initialsUNICESUMARpt_BR
Aparece nas coleções:IV EPCC - Encontro Internacional de Produção Científica (19 a 22 de Outubro de 2005)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
vanessa_bueno_moreira_javera3.pdf11.8 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.