EVENTOS EPCC - Encontro Internacional de Produção Científica IV EPCC - Encontro Internacional de Produção Científica (19 a 22 de Outubro de 2005)
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/7190
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorGisely Gleice, PASQUINI-
dc.creatorMODENEZE, Patrícia Aparecida Ferreira-
dc.creatorFUENTES, Fabiane Dolphine-
dc.creatorAGUIAR, Joana Ercília-
dc.date.accessioned2021-02-04T18:28:26Z-
dc.date.available2005-10-19-
dc.date.available2021-02-04T18:28:26Z-
dc.date.issued2005-10-19-
dc.identifier.otherPresencialpt_BR
dc.identifier.urihttp://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/7190-
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUNIVERSIDADE CESUMARpt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectSentimentopt_BR
dc.subjectEnfermeiropt_BR
dc.subjectUtipt_BR
dc.titleREAÇÕES DOS ENFERMEIROS FRENTE AOS PACIENTES CRÍTICOSpt_BR
dc.typeArtigopt_BR
dc.description.resumoAtualmente têm-se investido muito em conhecimento científico e tecnologia no tratamento de pacientes graves, porém pouco observa-se o lado humano do cuidador. A equipe de enfermagem passa por situações estressantes a todo momento, isto, independente da unidade. Porém, os que mais estão expostos a este tipo de sentimento são os profissionais da Unidade de Terapia Intensiva (UTI), pois lidam com os pacientes mais graves e instáveis. Na UTI concentram-se procedimentos complexos e dinâmicos, onde a vida ou a morte do paciente está centrada no desempenho e responsabilidade da equipe médica e de enfermagem. A enfermagem está constantemente acompanhando o paciente, vivenciando seus sofrimentos, angústias e expectativas, logo o enfermeiro enfrenta dificuldades ao se adaptar às várias mudanças no estado de saúde de seus pacientes, como também de manter a calma e frieza em momentos emergenciais onde existe exposição excessiva do corpo humano e luta constante pela vida. Objetivo: Este estudo possui a finalidade de explorar fontes de dados, identificando os principais fatos causadores de estresse na equipe de enfermagem que trabalha na UTI. Metodologia: A pesquisa foi realizada através de busca por referências teóricas sobre o tema em questão, e a análise comparativa dos conteúdos utilizados. Resultados: Os estudos com equipes de enfermagem em UTI demonstram que o esgotamento e estresse do profissional, resultam da relação existente entre o tempo de experiência em UTI, a personalidade dos profissionais, e as características do ambiente da UTI. Considerações finais: Observa-se que é fundamental no processo de humanização atender a equipe de maneira interdisciplinar, atuando e potencializando as ações entre si, visto que a enfermagem é o ponto de equilíbrio e de sustentação da unidade, por estar mais próxima e por mais tempo ao lado do paciente. Logo, é importante que os enfermeiros tenham consciência de suas reações emocionais às situações clínicas, para que não se tornem muito estressados e incapazes do autocontrole.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.initialsUNICESUMARpt_BR
Aparece nas coleções:IV EPCC - Encontro Internacional de Produção Científica (19 a 22 de Outubro de 2005)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
gisely_gleice_pasquini.pdf12.04 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.