EVENTOS EPCC - Encontro Internacional de Produção Científica IV EPCC - Encontro Internacional de Produção Científica (19 a 22 de Outubro de 2005)
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/7133
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorPICOLI, Fabricia Mateus-
dc.creatorREDIN, Alana Giselle Serraglio-
dc.creatorLEONARDO, Jussara Maria Leite Oliveira-
dc.date.accessioned2021-02-03T18:19:28Z-
dc.date.available2005-10-19-
dc.date.available2021-02-03T18:19:28Z-
dc.date.issued2005-10-19-
dc.identifier.urihttp://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/7133-
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUNIVERSIDADE CESUMARpt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectPulgapt_BR
dc.subjectCtenocephalidespt_BR
dc.subjectSiphonapterapt_BR
dc.titleOCORRÊNCIA E EPIDEMIOLOGIA DE INSETOS DA ORDEM SIPHONAPTERA (PULGAS) DA SUPERFÍCIE CORPORAL DE CÃES NA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁpt_BR
dc.typeArtigopt_BR
dc.description.resumoPulgas são insetos ectoparasitas obrigatórios espécie-específicos, porém na ausência do hospedeiro primário e impelidas pela necessidade de realizar hematofagia, podem parasitar outros animais considerados alternativos (DRYEDEN, 1994). Um outro fator que pode levar à troca do hospedeiro, está relacionado às condições climáticas do local, como por exemplo a presença de pulgas específicas dos gatos, parasitando cães e outros animais de regiões de clima quente (CARRERA, 1991). Pulgas são vetores biológicos de várias doenças em aves e mamíferos, como a Pulex irritans dos humanos, transmissora do cestódeo Hymenolepis; Ctenocephalides canis dos canídeos, Ctenocephalides felis dos felídeos, transmissoras do cestódeo Dipylidium caninum; Xenopsylla cheps dos roedores, transmissora da Peste Bubônica (FORTES, 1987) e Hantavirose (CORTES, 1993); Echidnophaga gallinacea das aves, transmissora da Encefalomielite Eqüina, Anemia Infecciosa das Aves (BERCHIERI Jr. e MACARI, 2000). As espécies mais encontradas em cães e gatos são C. felis felis do gato, C. canis do cão e Pullex irritans do homem. Inúmeras pesquisas em cães de todo o Brasil, relataram a ocorrência elevada de até 100,0% de C. felis felis, seguida de zero a 30,0% de ocorrência de C. canis, bem como de zero a 6% de Pullex. Este trabalho objetivou avaliar a distribuição e estacionalidade destes ectoparasitas na cidade de Maringá. As pulgas foram coletadas mensalmente e fixadas em bálsamo do Canadá, mantidas em lâminas permanentes para avaliação em microscópio ótico. Foram posteriormente identificadas 262 pulgas, sendo 237 C. felis felis (90,0%) e 25 C. canis (10,0%). A ocorrência de C. felis felis em 7 dos 12 meses do ano foi de 100% e de C. canis em julho, agosto e dezembro de 2004, e ainda janeiro e maio de 2005 foi de: 13,4%, 5,26%, 20,0%, 20,0% e 25,0% respectivamente. O parasitismo mais intenso ocorreu pela presença de C. felis em relação ao C. canis, confirmando assim a preferência de C. felis por ambientes mais quentes do que a C. canis. Esta é a tendência climática média na cidade de Maringá, durante a maior parte dos meses do ano. Foi avaliado também o sexo das pulgas encontradas, confirmando-se assim maior intensidade do hematofagismo das fêmeas em decorrência da grande necessidade de mobilização de nutrientes para as suas funções reprodutivas.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.initialsUNICESUMARpt_BR
Aparece nas coleções:IV EPCC - Encontro Internacional de Produção Científica (19 a 22 de Outubro de 2005)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
fabricia_mateus_picoli2.pdf12.22 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.