EVENTOS EPCC - Encontro Internacional de Produção Científica VII EPCC - Encontro Internacional de Produção Científica (25 à 28 de Outubro de 2011)
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/5429
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorSILVA, Camila Cortellete Pereira da-
dc.creatorPINTO, Daniela Devico Martins-
dc.creatorROCHA, Magnéia Magalhães Souza da-
dc.creatorVAZ, Vitória Zanutto-
dc.creatorMILANI, Rute Grossi-
dc.date.accessioned2020-03-26T12:20:40Z-
dc.date.available2020-03-26T12:20:40Z-
dc.date.issued2011-10-25-
dc.identifier.isbn978-85-8084-055-1-
dc.identifier.urihttp://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/5429-
dc.description.abstractA literatura tem apontado que a pedofilia consiste em um distúrbio de conduta sexual considerado uma perversão sexual de caráter compulsivo e obsessivo, apresentado por adultos com uma atração sexual por crianças. Por meio de uma pesquisa documental procurou-se caracterizar o perfil socioeconômico do pedófilo. Foram consultadas 26 fichas referentes ao pedófilo, a partir do ano de 2000, os casos analisados ocorreram com crianças menores de 14 anos, de Maringá e região. Encontrou-se com maior incidência de casos, agressores com o primeiro grau de instrução incompleto (54%), todos possuíam trabalho até o momento de sua prisão, mas encontravam-se em uma situação econômica baixa (58%). Utilizavam entorpecentes (76%). Em sua maioria são solteiros (42%) e filhos legítimos (88%), aceitos em seu núcleo familiar (54%). Apresentavam moradia alugada (35%) na zona urbana (58%). Estima-se que ao sair da prisão serão aceitos socialmente (72%) e sua reinserção familiar será junto aos pais (35%). A respeito da vítima, o mais encontrado foi o extrafamiliar (56%) onde 35% são crianças conhecidas do abusador, e 21% são vítimas desconhecidas do pedófilo. Os casos intrafamiliares configuraram um total de 39%. Acredita-se não ter encontrado um perfil exato a respeito do abusador, por esse motivo é necessário que os pais alertem seus filhos do perigo que se encontra nas ruas, na internet e até mesmo em casa e observem as ações e verbalizações da criança. Afinal, constatou-se que assim como na bibliografia, o perfil do pedófilo não é tão fácil de identificar.pt_BR
dc.languagepor-
dc.publisherUNIVERSIDADE CESUMARpt_BR
dc.rightsAcesso Aberto-
dc.subjectAbuso sexual infantilpt_BR
dc.subjectAgressorpt_BR
dc.subjectIncestopt_BR
dc.subjectParafiliapt_BR
dc.subjectViolência sexualpt_BR
dc.titlePERFIL SOCIOECONÔMICO DO PEDÓFILOpt_BR
dc.typeArtigopt_BR
dc.publisher.countryBrasil-
dc.publisher.initialsUNICESUMAR-
Aparece nas coleções:VII EPCC - Encontro Internacional de Produção Científica (25 à 28 de Outubro de 2011)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
magneia_magalhaes_souza_rocha.pdfTrabalho apresentado na modalidade comunicação oral no VII Encontro Internacional de Produção Científica (25 a 28 de Outubro de 2011)163.34 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.