01 - CAMPUS MARINGÁ 1. TCC ARQUITETURA E URBANISMO
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/5245
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorLEMES, Beatriz Faleiros-
dc.date.accessioned2020-03-11T17:36:39Z-
dc.date.available2020-03-11T17:36:39Z-
dc.date.issued2019-11-10-
dc.identifier.citationLemes, Beatriz Faleiros. Planetário: ambiente não formal de aprendizagem e educação ambiental - proposta para a cidade de Maringá - PR. 26f. 2019. Artigo apresentado ao Curso de Graduação em Arquitetura e Urbanismo da UniCesumar – Centro Universitário de Maringá, 2019.pt_BR
dc.identifier.urihttp://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/5245-
dc.descriptionArtigo apresentado ao Curso de Graduação em Arquitetura e Urbanismo da UniCesumar – Centro Universitário de Maringá como requisito parcial para a obtenção do título de Bacharel (a) em Arquitetura e Urbanismo, sob a orientação da Profª. Ana Maria Alves Sapata Leme (Mestre em Engenharia Urbana pela UEM)pt_BR
dc.description.abstractOs planetários são equipamentos capazes de reproduzir o céu em uma cúpula ou até mesmo em computadores. Atualmente, o termo “planetário” é utilizado para caracterizar tanto o equipamento quanto o edifício que o abriga, nesses edifícios todas as atividades são voltadas para a astronomia. Acredita-se que o primeiro planetário foi construído por Arquimedes por volta de 150 d.C. e, em 1919, foi construído o primeiro planetário moderno que ajudou a desenvolver os modelos atuais. O primeiro planetário do Brasil veio em 1952 e foi implantado no Parque do Ibirapuera, em São Paulo. Depois disso, outros planetários chegaram à vários estados e, hoje em dia, o Brasil possui cerca de 73 planetários registrados no país. Os planetários podem ser considerados ambientes “não formais” de educação, visto que apresenta questões associadas à geografia, física, astronomia ou ciências de forma interativa e dinâmica. O planetário vem para simplificar a aprendizagem dos conteúdos apresentados no ambiente formal estimulando a capacidade crítica, a curiosidade e a busca por informações sobre os diversos temas ali estudados, o que produz um impacto benéfico e relevante na aprendizagem. No planetário, também é possível promover a educação ambiental, pois, além de suas atividades estarem relacionadas ao estudo dos planetas, o local recebe públicos de todas as faixas etárias, sendo possível conscientizar um grande número de pessoas. Por fim, o presente artigo traz a proposta de implantação de um planetário na cidade de Maringá-PR, analisando índices demográficos, características da cidade e trazendo os benefícios gerais de sua implantaçãopt_BR
dc.languagepor-
dc.publisherUNIVERSIDADE CESUMARpt_BR
dc.rightsAcesso Aberto-
dc.subjectAmbiente não-formalpt_BR
dc.subjectEducação ambientalpt_BR
dc.subjectAstronomiapt_BR
dc.titlePlanetário: ambiente não formal de aprendizagem e educação ambiental - proposta para a cidade de Maringá - PRpt_BR
dc.typeArtigopt_BR
dc.contributor.advisor1LEME, Ana Maria Alves Sapata-
dc.publisher.countryBrasil-
dc.publisher.initialsUNICESUMAR-
Aparece nas coleções:ARQUITETURA E URBANISMO

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO.pdfLemes, Beatriz Faleiros3.41 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.