01 - CAMPUS MARINGÁ 1. TCC ARQUITETURA E URBANISMO
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/401
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorLIPORI, Carolina Carrara-
dc.date.accessioned2018-03-20T18:00:53Z-
dc.date.available2018-03-20T18:00:53Z-
dc.date.issued2017-12-01-
dc.identifier.urihttp://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/401-
dc.descriptionArtigo apresentado ao curso de graduação em Arquitetura e Urbanismo da UniCesumar – Centro Universitário de Maringá como requisito parcial para a obtenção do título de bacharela em Arquitetura e Urbanismo, sob a orientação do Prof. Msc. Paulo Renato de Castro Alves.pt_BR
dc.description.abstractA instituição penal é um mecanismo com o qual o Estado exerce poder de controle e punição aos indivíduos em desacordo com a lei, numa tentativa de preservar a convivência em sociedade através da ordem, ressaltando que tanto a penalidade quanto os tipos de crime são mutáveis, de acordo com o tempo e o espaço, assim como as tipologias arquitetônicas prisionais. O sistema carcerário brasileiro – o quarto país com a maior população presidiária – se tornou um entrave devido à superlotação decorrente do encarceramento em massa, da insalubridade e da concentração de violência. Mesmo apresentando evidente progresso do tratamento penal e dos espaços prisionais, ainda existe uma concepção de punição e de segregação, como uma máquina de eterna vigilância. Alguns movimentos contrários a esse tipo de prática, baseados na humanização da pena, têm tomado medidas alternativas com sucesso, tendo como base a reincidência demasiadamente inferior a realidade, trazendo ganhos para o Estado e para a população intra e extramuros. O presente artigo, primeiramente, traça um histórico da evolução das tipologias arquitetônicas penais em âmbito mundial e nacional, abordando a questão de gênero e a violação das mulheres privadas de liberdade. A compreensão histórica da concepção espacial serviu de parâmetro para formular alguns tópicos, com a finalidade de tornar a arquitetura penal menos opressor, a partir da ressocialização dos apenados, evidenciando os impasses dessa arquitetura tão contraditória.pt_BR
dc.languagepor-
dc.publisherUNIVERSIDADE CESUMARpt_BR
dc.rightsAcesso Aberto-
dc.subjectArquitetura penalpt_BR
dc.subjectRessocializaçãopt_BR
dc.subjectInstituição Carcerária Femininapt_BR
dc.titleArquitetura penal e o princípio da dignidade humana na concepção dos espaçospt_BR
dc.typeArtigopt_BR
dc.contributor.advisor1ALVES, Paulo Renato de Castro-
dc.publisher.countryBrasil-
dc.publisher.initialsUNICESUMAR-
Aparece nas coleções:ARQUITETURA E URBANISMO

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
CAROLINA CARRARA LIPORI.pdf712.8 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.